continua depois da publicidade

Bitcoin foi a primeira criptomoeda, desenvolvida em 2009 por Satoshi Nakamoto, nome dado ao seu criador desconhecido (ou criadores). As transações são registradas em uma blockchain, que mostra o histórico de transações de cada unidade e comprovar a propriedade.

Diferentemente do investimento em moedas tradicionais, o bitcoin não é emitido por um banco central nem apoiado por um governo. Também é diferente de comprar uma ação ou título, porque o bitcoin não é uma corporação. Consequentemente, não há balanços corporativos para revisar.

Sendo assim, política monetária, taxas de inflação e medidas de crescimento econômico que normalmente influenciam o valor da moeda não se aplicam ao bitcoin. Pelo contrário, seu preço é influenciado pelos seguintes fatores:

  • A oferta de bitcoin e a demanda do mercado por ele
  • O custo de produção de um bitcoin pelo processo conhecido como mineração
  • A recompensa oferecida a quem minera bitcoin por verificar transações com a blockchain
  • O número de criptomoedas concorrentes
  • As trocas em que está envolvida
  • Regulamentos que regem sua venda
  • Governança interna da moeda digital

Oferta e procura

Países sem taxas de câmbio fixas podem controlar parcialmente quanto de sua moeda circula fazendo ajustes na taxa de desconto, alterando as exigências de reservas ou participação em  operações de mercado aberto. Com essas opções, um banco central pode afetar potencialmente a taxa de câmbio de uma moeda.

O fornecimento de bitcoin é impactado de duas maneiras diferentes. Primeiramente, o protocolo bitcoin permite que novos bitcoins sejam criados a uma taxa fixa. Novos bitcoins são introduzidos no mercado quando os mineradores processam blocos de transações e a taxa pela qual novas moedas são introduzidas é projetada para diminuir com o tempo.

Por exemplo, seu crescimento diminuiu de 6, 9% (2016) para 4,4% (2017), chegando a 4.0% (2018). Isso pode criar cenários nos quais a demanda por bitcoins aumenta a uma taxa mais rápida do que a oferta, podendo causar aumento no preço.

A desaceleração do crescimento da circulação do bitcoin deve-se à redução pela metade das recompensas em bloco oferecidas aos mineradores de bitcoin e pode ser considerada uma inflação artificial para o ecossistema de criptomoedas.

Em segundo lugar, a oferta também pode ser afetada pelo número de bitcoins que o sistema permite que exista. Esse número é limitado a 21 milhões, onde, uma vez que esse número é atingido, as atividades de mineração não criam novos bitcoins. Por exemplo. o fornecimento de bitcoin atingiu 18,587 milhões em dezembro de 2020, representando 88.5% do fornecimento de bitcoin que foi disponibilizado. Uma vez que 21 milhões de bitcoins estão em circulação, os preços dependem ser for considerado prático (facilmente utilizável em transações), legal e a demanda, que é determinada pela popularidade de outras criptomoedas. Em 13 de março de 2021 o bitcoin atingiu US61,683.86, o maior preço até hoje.

O mecanismo de inflação artificial, que reduz pela metade as recompensas em bloco não terá mais impacto sobre o preço da criptomoeda. No entanto, na taxa atual de ajuste das recompensas do bloco, o último bitcoin não está definido para ser extraído até por volta do ano de 2140 .

Concorrência

Embora o bitcoin possa ser a criptomoeda mais conhecida, existem milhares de outros tokens que disputam o mercado. Entre as chamadas altcoins – moedas alternativas – destacam-se seus  competidores mais fortes  como Ethereum (RTH), Thether (USDT), Binance Coin (BNB), Carfano (ADA) e Polkadot (DOT).

Ademais, novas ofertas iniciais de moedas (ICOs) estão sendo anunciadas, devido às relativamente poucas barreiras para sua entrada no mercado. Essas ofertas múltiplas são uma boa notícia para os investidores, porque a concorrência generalizada mantém os preços baixos. Felizmente para o bitcoin, sua alta visibilidade ainda lhe dá uma vantagem sobre seus concorrentes.

Disponibilidade em trocas de moeda

Assim como os investidores em ações negociam ações sobre índices como NYSE, Nasdaq e FTSE, os investidores em criptomoedas negociam criptomoedas na Coinbase, GDAX e outras bolsas. Semelhante às trocas de moedas tradicionais, essas plataformas permitem que os investidores negociem pares de criptomoedas / moedas (por exemplo, BTC / USD ou bitcoin / dólar dos EUA).

Quanto mais popular uma troca se tornar, mais fácil poderá atrair participantes adicionais para criar um efeito de rede. E, ao capitalizar sua influência no mercado, pode definir regras que regem como outras moedas são adicionadas. Por exemplo, o recente lançamento da estrutura do Simple Agreement for Future Tokens (SAFT) procura definir como as OICs podem cumprir os regulamentos de valores mobiliários. A presença do Bitcoin nessas trocas implica um nível de conformidade regulatória, independentemente da área cinza legal na qual as criptomoedas operam.

Custo de produção

Embora os bitcoins sejam virtuais, são produtos gerados com um custo real de produção – com o consumo de eletricidade sendo, de longe, o fator mais importante. A ‘mineração’ de bitcoin, como é chamada, depende de uma complexa equação matemática criptográfica que todos os mineiradores competem para resolver – o primeiro a fazer isso é recompensado com um bloco de bitcoins recém-cunhados e quaisquer taxas de transação que tenham sido acumuladas desde o último bloco foi entregue. O elemento único na produção de bitcoins é que, ao contrário de outros bens produzidos, o algoritmo do bitcoin permite que apenas um bloco de bitcoins seja encontrado, em média, uma vez a cada dez minutos. Isso significa que quanto mais produtores (mineiradores) entrarem na competição para resolver a equação matemática, só fazem sua resolução mais difícil de resolver e portanto mais cara, preservando aquele intervalo de dez minutos. O preço de mercado do bitcoin está intimamente relacionado ao seu custo marginal de produção.

Garfos e estabilidade da governança

O bitcoin não possui uma autoridade central, dependendo de desenvolvedores e mineradores para processar transações e manter a blockchain segura. As alterações no software são conduzidas por consenso, o que tende a frustrar a comunidade de bitcoin, pois alguns problemas fundamentais levam muito tempo para serem resolvidos.

A questão da escalabilidade tem sido um ponto sensível. O número de transações que podem ser processadas depende do tamanho dos blocos, e o software bitcoin atualmente consegue processar apenas três transações por segundo, em média. Embora isso não tenha sido uma preocupação quando havia pouca demanda por criptomoedas, muitos se preocupam com a baixa velocidade das transações que levará os investidores a buscar outras criptomoedas mais competitivas.

A comunidade está dividida sobre a melhor maneira de aumentar o número de transações. Alterações nas regras que regem o uso do software com variações são chamadas de “garfos”. Quando se fala em “garfos flexíveis” (soft fork), isso diz respeito a alterações nas regras que não resultam na criação de uma nova criptomoeda, enquanto as alterações do tipo “garfo rígido” (hard fork) no software resultam em novas criptomoedas. Os garfos antigos do bitcoin incluíam as versões do bitcoin em dinheiro (Bitcoin Cash) e ouro (Bitcoin Gold).

Você deve investir em Bitcoin?

Investir em criptomoedas e outras Ofertas Iniciais de Moedas (“ICOs”) é um negócio altamente arriscado e especulativo. O objetivo deste artigo não é uma “recomendação oficial”  do site nem do seu autor para você investir em Bitcoin ou outras criptomoedas. A situação de cada indivíduo é única, por isso sugerimos que antes de tomar qualquer decisão financeira, o investidor se informe o máximo possível.

Dito isso, analisemos algumas das dúvidas mais comuns sobre o Bitcoin;

Como é calculado o valor do Bitcoin? O valor do Bitcoin depende muito de sua oferta e da demanda do mercado por ele. Seu preço também depende de outros fatores, como moedas digitais alternativas – incluindo seu suprimento e preço – disponibilidade e recompensas pela mineração.

Por que o Bitcoin é tão caro? A demanda por bitcoin está aumentando, enquanto sua oferta disponível está diminuindo. Isso resulta em aumento de preços. Consumidores, empresas e investidores preferem o bitcoin por sua lucratividade e capacidade de proteger a inflação. A popularidade resultante contribui para o aumento da demanda e, portanto, para o aumento do preço.

Como o Bitcoin aumenta de valor? Conforme o bitcoin se aproxima de seu limite máximo, a demanda por ele aumenta. O aumento da demanda e a oferta limitada empurram o preço por bitcoin para cima. Além disso, mais instituições financeiras estão investindo em bitcoin e aceitando-o como forma de pagamento, aumentando assim sua utilidade e tornando-o um meio de troca preferido entre os consumidores. O Bitcoin é relativamente seguro devido à criptografia e aos protocolos robustos e está prontamente disponível por meio de várias bolsas. Além disso, você não precisa comprar um bitcoin completo para ter a propriedade dele. Frações da moeda digital estão disponíveis, aumentando sua atratividade e valor.

O que faz os preços do Bitcoin subirem e descerem? O preço do Bitcoin pode sofrer alterções por vários motivos, incluindo cobertura da mídia, especulação e disponibilidade. Quando há imprensa negativa, alguns proprietários de bitcoins entram em pânico e vendem suas ações, baixando o preço. Já com imprensa positiva, a tendência é que mais pessoas tentem comprar, visando “lucro certo”. Além disso, quando o volume de bitcoin vendido no mercado aumenta, o preço diminui. Muitas pessoas diminuíram a confiança em sua moeda fiduciária e procuram fontes alternativas para armazenar seu dinheiro. Como o bitcoin é descentralizado e não regulamentado, torma-se uma alternativa favorável, gerando aumento no seu preço.

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!