Não é somente os países com economia pouco desenvolvida que estão passando dificuldades para enfrentar o mundo pós-pandemia. Países de primeiro mundo também estão na mesma luta para recompor seus negócios e as principais fontes que estimulam a economia global.

Antes que as rupturas e escassez da cadeia de suprimentos varressem o mundo na esteira da pandemia de COVID, comprar peças para uma linha de montagem costumava ser tão fácil quanto clicar em um botão e esperar alguns dias ou, no máximo, algumas semanas pela entrega.

A escassez de metais, plásticos, madeira e até garrafas de bebidas faz parte de todo mundo. Sem falar na falta de peças automotivas que está quase impossível de conseguir.

O resultado é um mundo onde os compradores devem esperar pela entrega de itens que antes eram abundantes, se é que podem obtê-los. Junto com a escassez, vêm os fortes aumentos de preços, que alimentam temores de uma onda de inflação sustentada.

Nos EUA há uma tensão crescente entre os formuladores de políticas do Federal Reserve sobre como avaliar o impacto de longo prazo sobre os preços. Alguns formuladores de políticas do Fed estão mais convencidos do que outros de que as pressões sobre os preços diminuirão depois que algumas das interrupções na cadeia de suprimentos forem resolvidas. A evolução desse debate pode influenciar a rapidez com que o Fed se move para reduzir o ritmo das compras de ativos lançadas no início da pandemia e em quanto tempo ele eleva a taxa de juros de seu nível atual próximo a zero.

Produtores locais fizeram parte de um amplo fórum recentemente com o presidente do Fed de Richmond, Tom Barkin, que se concentrou nos desafios para a recuperação dos EUA colocados por problemas da cadeia de abastecimento que não estão sendo resolvidos tão rápido quanto os legisladores esperavam.

A escassez está afetando de tudo, de escavadeiras a bourbon. A fabricante de equipamentos pesados ​​Caterpillar Inc (CAT.N) avisou em julho que seus lucros seriam afetados no trimestre atual em parte por causa do aumento dos preços de componentes difíceis de obter. A empresa disse, entre outras coisas, que está procurando maneiras de obter suprimentos de fontes não tradicionais para lidar com a escassez de resina plástica e semicondutores.

Lawson Whiting, executivo-chefe da produtora de destilados Brown-Forman Corp (BFb.N), disse aos investidores no início deste mês que a escassez de “materiais de embalagem essenciais, principalmente vidro” continua a criar problemas para o fabricante de marcas como Jack Daniel’s e Woodford Reserva.

Novos desafios continuam a surgir, incluindo interrupções de furacões nas refinarias de petróleo dos EUA, que mais uma vez estão ameaçando o fornecimento de plásticos e outros materiais básicos.

Algumas indústrias estão correndo para construir novas fábricas, incluindo produtores de semicondutores sob pressão para alimentar um apetite crescente por chips necessários para carros e eletrônicos. Mas nem todos os produtores estão ansiosos para construir novas fábricas. A indústria de bicicletas, por exemplo, está fortemente concentrada na Ásia e os produtores de lá temem que o atual aumento na demanda seja apenas temporário.

Para agravar o problema atual, estão as linhas de abastecimento entupidas. Com tantos fabricantes correndo para construir suprimentos ao mesmo tempo, os contêineres, navios e caminhões necessários para movimentar as mercadorias muitas vezes não estão disponíveis e os custos aumentaram quando estão. Isso interrompeu alguns dos mecanismos que normalmente ajudam a manter o abastecimento e os preços sob controle. (Fonte: Reuters)

Share.

Deixe seu comentário!