continua depois da publicidade

Nas Filipinas, o Axie Infinity é um sucesso. O card game online oferece como “recompensa” aos usuários um tipo de criptomoeda e NFTs (tokens não fungíveis) exclusivos. Assim, a possibilidade de aliar jogos eletrônicos com criptomoedas alcançou um novo nível, pois os jogadores conseguiram por lá um renda mensal de até US$ 400 (cerca de R$ 2,1 mil), valor bem acima do salário mínimo local, de pouco mais de US$ 300.

A “novidade” chamou atenção da Coindesk, que escreveu sobre como os tokens do jogo estavam mudando a vida de pessoas empobrecidas em meio à pandemia.

Conforme explica o site oficial, trata-se de um “universo digital de animais de estimação digital e descentralizada (DApp), criada na rede Ethereum, onde as pessoas podem coletar, treinar, criar e lutar contra criaturas fantásticas chamadas Axie”. Pois agora, ele começa a ganhar popularidade no Brasil.

O jogo é baseado em NFTs, tokens que representam, de forma digital, produtos e serviços do “mundo real” e podem até ser usados como criptomoedas.

Seus criadores desenvolveram esse card game que se joga em rodadas, onde o objetivo é eliminar os 3 Axies da equipe adversária, enquanto seus 3 Axies continuam vivos. Em cada turno, o jogador deve jogar suas cartas de forma estratégica para melhorar suas chances de vitória. É possível formar uma guilda  – equipe que reúne jogadores com objetivos comuns que se ajudam no jogo.

No Axie Infinity existem duas maneiras de ganhar tokens, que podem ser acumulados para compras no jogo trocados por dinheiro nas exchanges (corretoras de criptomoedas) a Binance ou Uniswap: através do breeding (criação de novos Axies) ou a venda de Small Love Potions (Poções do amor pequenas, ou SLP)

O jogo já tem site oficial em português que explica como funciona o game e todo o processo para trocar suas poções diretamente por dinheiro.

Se aplicativos como TikTok e Kwai vem atraindo milhares de usuários brasileiros oferecendo recompensas para assistir vídeos, o Axie que oferece o sistema “jogue para ganhar” tem tudo para ser bem-sucedido e, de quebra, ensinar toda uma geração sobre o mundo das criptomoedas.

“Eu não fazia a mínima ideia do que era uma criptomoeda há um mês”

Um bom exemplo disso são Alcir e Adriana Rosa, filho e mãe, que começaram a jogar e já colhem os frutos. “Eu não fazia a mínima ideia do que era um Axie ou uma criptomoeda há um mês, mas com 25 dias de jogo eu já tive o meu primeiro retorno, usando de duas a três horas do meu tempo livre todos os dias”, explica Alcir, que conseguiu R$ 1.500 jogando. Nada mal para um país onde o salário mínimo mensal é de R$ 110.

Alcir já chegou a essa conclusão. “Minha mãe não ganha isso com o serviço dela em um mês, trabalhando de segunda a sexta”, conta o jovem, que trabalha como supervisor em uma empresa promotora de crédito. Ele diz ter planos para que sua mãe largue o emprego no setor de limpeza e dedique-se ao jogo em tempo integral. Por enquanto, ela joga com os bichinhos do Axie nas horas de folga e enquanto usa o ônibus para ir e voltar do trabalho.

Há um sistema econômico além do jogo

Conforme explicou ao Valor, gerente da comunidade no Brasil, Gabriel Boni, explica como funciona essa “economia” que vai além do jogo. Além de token de jogo ao estilo utilitário, também é um token financeiro. O token AXIE é negociado em exchanges e vale atualmente US$ 7,90 (cerca de 40 reais). Já está entre as 300 criptomoedas com maior valor total de mercado, de US$ 482.157.402 na data em que esta matéria é escrita.

O game indica uma tendência, com esse tipo de interação que gera lucro, especialmente em países ainda em desenvolvimento. Um dos indicadores dessa popularidade é o aumento do preço da criptomoeda Axie que vem subindo juntamente com o número de downloads do jogo. Com isso, houve uma inflacionada em itens para quem está entrando agora. Em meados de 2020 gastava-se uns US$ 5 para reunir uma boa guilda no jogo, mas recentemente já há casos em que o valor chegou a cerca de US$ 1.000. Isso aumentou a necessidade do aluguel dos NFTs, em lugar de comprá-los.

Enquanto isso, jovens como César Werlon passa de duas a duas horas e meia por dia jogando Axie. Ele explica que não é mais por diversão, busca um complemento de renda. Professor de música, ele perdeu quase todos os alunos por causa da pandemia.

Claro, na economia do jogo, tem quem ganhe e tem quem gaste comprando os NFTs e melhorias dos personagens, prática comum no mercado gamer. Analisando os gastos dentro do aplicativo, o site DappRadar indica que os jogadores realizaram 453 mil transações nos últimos 30 dias, movimentando US$ 130,3 milhões. Se a crise econômica continuar afetando os brasileiros, não será surpresa que o Axis e jogos similares possam ajudar a profissionalizar muitos gamers jovens e nem tão jovens assim.

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!