continua depois da publicidade

Enquanto o governo chinês aperta a regulação das criptomoedas em seu território, fechando mineradoras, restringindo o livre comércio de criptografia e censurando contas de redes sociais que falam sobre o tema, parece estar acelerando os testes com sua  própria moeda digital de banco central (CBDC), chamada e-CNY. Esse yuan digital pode ser adotada no ano que vem e mostra que o Banco Popular da China está muito à frente de seus pares no restante do mundo.

Saiba mais sobre CBDC aqui.

Agora, quem possui o aplicativo móvel do e-CNY poderá pode usá-lo para passagens em todas as linhas de metrô da capita Pequim. O início dos testes foi anunciado em um comunicado nesta quarta-feira (30). Com média de 10 milhões de usuários diários, o sistema metroviário de Pequim consiste em 24 linhas e 428 estações. Testes similares estão sendo feitos na cidade de Suzhou, com população de 11 milhões e sistema de metrô bem reduzido.

Até o momento, Pequim conduziu duas campanhas de loteria de e-CNY, em que distribuiu 50 milhões de yuans digitais para 250 mil cidadãos, uma amostragem ainda muito pequena para um país com 1,4 bilhão de habitantes.

O sistema é oficialmente chamado de Pagamento Eletrônico de Moeda Digital da China (DCEP) e, segundo a  firma de investimentos Sino Global Capital, funcionará com um mecanismo de código QR para pagar a entrada e saída deste sistema de transporte. Os usuários do teste baixaram um aplicativo do governo de Pequim vinculado ao Banco Industrial e Comercial da China (ICBC) e ativaram o serviço Yuan Digital. Outra opção é habilitar esse serviço numa subcarteira do aplicativo de pagamentos Yitongxing.

Após esta fase de teste, o Metrô de Pequim continuará a promover o uso do yuan digital em “múltiplos cenários”, como a venda de ingressos para apresentações culturais e esportivas. Aos poucos a população vai se acostumando com o dinheiro eletrônico. No início deste mês, o ICBC disponibilizou para quem mora na capital três mil caixas eletrônicos que convertem e-CNY para dinheiro físico e vice-versa.

A maneira como o yuan digital impactará a economia loca chama a atenção de muitos países. Em um relatório recente, Toshihide Endo, que trabalhou com o sistema regulador financeiro japonês, afirmou que o CBDC da China terá um efeito direto na dinâmica econômica global.

Segundo Endo, especificamente gerando pressão para que outros países lancem logo seus próprios CBDCs.  Enquanto o Japão começou seu projeto CBDC em abril, o projeto da União Europeia parece carecer de uma consenso de todos os países membros, e os EUA ainda debatem os benefícios dos ativos digitais. No Brasil, o projeto é discutido desde 2020, mas sem previsão de quando deve começar a ser implantado. 

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!