continua depois da publicidade

Quem considera as diferentes opções de criptografia, certamente já ouviu falar das DeFi, abreviação para decentralized finance, ou finanças descentralizadas, em português. Logo que o conceito surgiu também eram chamadas de “finanças abertas”.

A Coingecko, empresa de análise fundamental do setor de cripto, o mercado das DeFi já atrai 5,3% do segmento e tem seu valor de mercado avaliado em cerca mais de US$ 85 bilhões.

“Finanças descentralizadas” são um termo abrangente para diferente aplicações financeiras em criptomoeda ou blockchain que visam eliminar a necessidade de intermediários financeiros, como bancos.

As DeFi são protocolos em blockchain que usa criptoativos em aplicações financeiras mais complexas do que meras transferências de valores. A utilização do blockchain, a tecnologia por trás das moeda digitais, permite que várias participantes  mantenham uma cópia do histórico de transações, o que significa que não é controlado por uma única fonte central.

Isso é importante porque os sistemas centralizados e o controle de uma empresa ou governo pode limitar as transações, ao mesmo tempo que não oferecem aos usuários um controle direto sobre seu dinheiro. O DeFi  expande o uso de blockchain para além da simples transferência de valor, oferecendo oportunidades de operações financeiras mais complexas.

O bitcoin inaugurou a possibilidade de ativos nativos que se distinguem dos métodos de pagamento digital mais conhecidos – cartões de crédito e aplicativos como PayPal – por removerem todos os intermediários das transações. Quando você paga com cartão de crédito por um café em um padaria, uma instituição financeira fica entre você e a empresa, com controle sobre a transação, mantendo a autoridade para interrompê-la ou pausá-la e registrá-la em seu livro-razão.

Com o bitcoin, essas instituições simplesmente somem. As compras diretas não são o único tipo de transação ou contrato supervisionado por grandes empresas. Aplicações financeiras como empréstimos, seguros, derivativos, apostas e coisas similares também estão sob seu controle. Uma das principais vantagens das DeFi é cortar intermediários em todos os tipos de transações.

As finanças descentralizadas usam tecnologia para eliminar modelos centralizados e permitir o fornecimento de serviços financeiros em qualquer lugar para qualquer pessoa, independentemente de etnia, idade ou identidade cultural. A maioria dos serviços e aplicativos DeFi são construídos em blockchains públicos e replicam ofertas existentes construídas sobre os trilhos de padrões de tecnologia comuns ou oferecem serviços inovadores projetados de forma personalizada para o ecossistema DeFi. Ao mesmo tempo, aplicativos DeFi fornecem aos usuários mais controle sobre seu dinheiro por meio de carteiras pessoais e serviços de negociação que atendem explicitamente a usuários individuais em vez de instituições.

Aplicações Ethereum

A maioria dos aplicativos que se autodenominam “DeFi” são construídos sobre a blockchain Ethereum, segunda maior plataforma de criptomoeda do mundo, que se diferencia da criada para o bitcoin por ser mais fácil de usar para construir outros tipos de aplicativos descentralizados (dApps) além de transações simples.

As possibilidade de operações financeiras mais complexos foram destacadas pelo criador do Ethereum, Vitalik Buterin, em 2013, no white paper original do Ethereum. Desde seu início a plataforma previa o uso de smart contracts ou contratos inteligentes – que executam transações automaticamente se certas condições forem atendidas – oferecendo muito mais flexibilidade.

Na prática, os contratos inteligentes possibilitam a criação de sistemas que reproduzem serviços do mercado financeiro de forma descentralizada, como empréstimos, seguros e até bolsas de valores, tudo sem a interferência de terceiros.

As linguagens de programação do Ethereum, como Solidity, são projetadas especificamente para criar e implantar esses contratos inteligentes. Por exemplo, digamos que um usuário queira que seu dinheiro seja enviado a um amigo na próxima terça-feira, mas apenas se a temperatura subir acima de 45 graus Celsius, de acordo com a Climatempo.com. Essas regras podem ser escritas em um contrato inteligente. Com contratos inteligentes no centro, dezenas de aplicativos DeFi estão operando no Ethereum.

Acredita-se que a atualização prevista no Ethereum 2.0 pode dar um impulso a esses aplicativos, eliminando os atuais problemas de escalabilidade do Ethereum.

Tokens DeFi

Dentre os projetos DeFi há vários que emitem seus próprios tokens. Um dos mais conhecidos é o Maker Dao, uma plataforma de crédito descentralizado que suporta a stablecoin DAI – cujo valor tentar ficar indexado com o dólar usando contratos inteligentes.

Entre os maiores tokens DeFi do mercado estaõ o UniSwap (UNI), nativo da exchange descentralizada (DEX) de mesmo nome, yearn.finance (YFI), que atua com empréstimos e o Aave, que atua com empréstimos descentralizados.

Alguns site especializados como CoinGeko e CoinMarketCap possuem uma área apenas para os tokens DeFi. Em junho de 2021, quando esta matéria está sendo escrita, os principais são.

Bitcoin e muitos outros ativos nativos digitais se destacam dos métodos de pagamento digital legados, como aqueles administrados por Visa e PayPal, por removerem todos os intermediários das transações. Quando você paga com cartão de crédito por um café em um café, uma instituição financeira fica entre você e a empresa, com controle sobre a transação, mantendo a autoridade para interrompê-la ou pausá-la e registrá-la em seu livro-razão privado. Com o bitcoin, essas instituições são cortadas de cena. Assine Money Reimagined, nosso boletim informativo sobre perturbação financeira. Ao se inscrever, você receberá e-mails sobre os produtos CoinDesk e concorda com nossos termos e condições e política de privacidade. As compras diretas não são o único tipo de transação ou contrato supervisionado por grandes empresas; aplicações financeiras como empréstimos, seguros, crowdfunding, derivativos, apostas e muito mais também estão sob seu controle. Cortar intermediários em todos os tipos de transações é uma das principais vantagens do DeFi. Antes de ser comumente conhecido como finanças descentralizadas, a ideia de DeFi era frequentemente chamada de "finanças abertas". Aplicações Ethereum A maioria dos aplicativos que se autodenominam "DeFi" são construídos sobre Ethereum, a segunda maior plataforma de criptomoeda do mundo, que se diferencia da plataforma Bitcoin por ser mais fácil de usar para construir outros tipos de aplicativos descentralizados além de transações simples. Esses casos de uso financeiro mais complexos foram até mesmo destacados pelo criador do Ethereum, Vitalik Buterin, em 2013, no white paper original do Ethereum. Isso se deve à plataforma da Ethereum para contratos inteligentes - que executam transações automaticamente se certas condições forem atendidas - oferece muito mais flexibilidade. As linguagens de programação Ethereum, como Solidity, são projetadas especificamente para criar e implantar esses contratos inteligentes. Por exemplo, digamos que um usuário queira que seu dinheiro seja enviado a um amigo na próxima terça-feira, mas apenas se a temperatura subir acima de 90 graus Fahrenheit, de acordo com a weather.com. Essas regras podem ser escritas em um contrato inteligente. Com contratos inteligentes no centro, dezenas de aplicativos DeFi estão operando no Ethereum, alguns dos quais são explorados abaixo. Ethereum 2.0, uma atualização futura da rede subjacente do Ethereum, pode dar um impulso a esses aplicativos, eliminando os problemas de escalabilidade do Ethereum.">

Os componentes do DeFi

Em linhas gerais, os componentes das DeFi são iguais aos que os ecossistemas financeiros existentes utilizam, ou seja, exigem moedas estáveis ​​para operar uma ampla variedade de ações.

Nas DeFi os componentes são o uso de stablecoins, além de serviços como trocas de criptografia e serviços de empréstimo. Os contratos inteligentes fornecem a estrutura para o funcionamento dos aplicativos DeFi porque codificam os termos e as atividades necessárias para o funcionamento desses serviços.

Por exemplo, um contrato inteligente possui um código específico que estabelece os termos e condições exatos de um empréstimo entre indivíduos. Se certos termos ou condições não forem atendidos, a garantia pode ser liquidada. Tudo isso é realizado por meio de um código específico, em vez de manualmente, seja por um banco ou outra instituição financeira.

Todos os componentes de um sistema financeiro descentralizado pertencem a um conjunto de soluções, de software (software stack). Os componentes de cada camada têm como objetivo desempenhar uma função específica na construção de um sistema DeFi. A capacidade de composição é uma característica definidora do conjunto porque os componentes pertencentes a cada camada podem ser reunidos para formar um aplicativo DeFi. Estas são as quatro camadas principais das DeFi:

Camada de liquidação: a camada de liquidação também é conhecida como “Camada 0” porque é a base sobre a qual outras transações DeFi são construídas. Ele consiste de um blockchain público e sua moeda digital nativa ou criptomoeda. As transações que ocorrem em aplicativos DeFi são liquidadas com esta moeda, que pode ou não ser negociada em bolsas públicas. Um exemplo da camada de liquidação é o Ethereum e seu token ether (ETH). A camada de liquidação também pode ter versões tokenizadas de ativos, como o dólar americano, ou tokens que são representações digitais de ativos do mundo real. Por exemplo, um token de imóvel pode representar a propriedade de um terreno ou construção.

Camada de protocolo: os protocolos de software são padrões e regras escritos para executar tarefas ou atividades específicas. Pensando em um paralelo com o mundo real, seria um conjunto de princípios e regras que todos os participantes de um determinado setor concordaram em seguir como pré-requisito para trabalhar nele. Os protocolos DeFi são interoperáveis, o que significa que podem ser usados ​​por várias entidades ao mesmo tempo para construir um serviço ou aplicativo. A camada de protocolo fornece liquidez ao ecossistema DeFi. Um exemplo de protocolo DeFi é Synthetix, um protocolo de negociação de derivados no Ethereum. Ele é usado para criar versões sintéticas de ativos do mundo real.

Camada de aplicativo: como o nome indica, a camada de aplicativo é onde estão os aplicativos voltados para o consumidor. Esses aplicativos abstraem os protocolos subjacentes em serviços simples focados no consumidor. Os aplicativos mais comuns no ecossistema cripto, como trocas descentralizadas de criptomoedas e serviços de empréstimo, residem nessa camada.

Camada de agregação: a camada de agregação consiste em agregadores que conectam vários aplicativos da camada anterior para fornecer um serviço aos investidores. Por exemplo, podem permitir a transferência contínua de dinheiro entre diferentes instrumentos financeiros para maximizar os retornos. Em uma configuração física, tais ações comerciais envolveriam uma considerável papelada e coordenação. Mas uma estrutura baseada em tecnologia deve suavizar os caminhos para o investimento, permitindo que os traders alternem entre diferentes serviços rapidamente. Entre os exemplos de serviço que existe na camada de agregação estão os empréstimos, serviços bancários e carteiras criptográficas.

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!