continua depois da publicidade

Todos nós cometemos erros com dinheiro, seja através de compras sem pensar das quais nos arrependemos, contas não pagas em dia, erros de cartão de crédito e assim por diante. Identificou-se com algum desses exemplos? Tudo bem, não precisa se desesperar porque isto é bom! O principal é entender que são erros, tirar conclusões e tentar não repeti-los.

Apesar de esses pequenos erros serem possíveis de reverter com um pouco de esforço e economia, existem erros financeiros, cujas consequências o levarão à falência por anos ou mesmo décadas, e alguns por toda a vida!

Confira alguns desses erros financeiros do qual você deve se manter longe, caso queira manter uma vida financeira equilibrada e sem dores de cabeça por longos anos.

1 – Viver sem uma “reserva de emergência”

Toda pessoa tem situações de “emergência” em sua vida – a perda de um ente querido, acidentes, doenças graves, incapacidade temporária ou permanente, perda de propriedade – isso acontece com cada um de nós. Se ainda não aconteceu com você, é só uma questão de tempo!

A falta de uma reserva para um dia difícil o forçará a pedir dinheiro emprestado a taxas de juros insanas (cartões de crédito, empréstimos ao consumidor, etc.), vender propriedades (apartamento, carro etc.). Viver sem uma “reserva de incêndio” é como dirigir um carro sem estepe – você pode fazer, mas é estúpido.

O valor da reserva deve ser igual a 6 ou 12 rendas mensais de sua família. Deixe que este seja o primeiro objetivo financeiro de sua família.

2 – Cartão de crédito – sem ter crédito

Ter um cartão de crédito nos dias atuais pode ser um símbolo de prestígio e quanto maior o limite de crédito, melhor. No entanto, não há mal maior nas finanças da família do que o uso do cartão de crédito com limite superior ao valor que você fatura mensalmente. Eles devoram nosso presente e futuro.

O uso do cartão de crédito é nosso pagamento por não ter educação financeira, por não saber que existem outras formas de comprar as coisas que precisamos, é o pagamento por querer agora o que ainda não ganhamos, é o pagamento para parecer “não pior do que outros”

3 – Viver sem orçamento

Viver sem orçamento é como nadar no mar sem saber para onde está indo, sem bússola, sem comida e água, sem saber como agir em situações críticas, etc.

Algumas pessoas nunca chegam a este passo – esta é uma parte das pessoas que estão condenadas a viver a vida inteira de salário em salário, em empréstimos, sem ver uma luz. Outra parte das pessoas chega a esta etapa, estando em estado falido – endividado, em completo desespero, na incerteza sobre o futuro, sem poupança, etc.

4 – Não discutir problemas financeiros com seu cônjuge

As disputas por dinheiro são uma das principais causas de divórcio no mundo. O maior problema disto está no fato dos casais não discutirem assuntos financeiros juntos. Muitas vezes, os cônjuges começam a conversar quando já é tarde demais – uma enorme dívida foi assumida, uma enorme quantidade de dinheiro ou bens foram perdidos, etc. Família é uma equipe. Não importa quem e quanto ganha. Por exemplo, uma esposa pode ser muito mais sábia e econômica do que o marido em questões financeiras, mesmo que seja dona de casa. Não há nada mais estúpido do que dizer “eu ganho, decido onde e como gastar”.

5 – Manter uma vida fora da sua condição financeira

“Vivemos apenas uma vez!”, “Dinheiro foi feito para gastar!”, “ Dessa vida não se leva nada”, “Não posso esperar, eu quero agora!” – existem muitas frases e atitudes parasitas que os pobres vivem. Como resultado, essas pessoas gastam a maior parte de seu dinheiro em algo que não será importante para elas em 3-5-10 anos. O resultado – dívida de cartão de crédito, empréstimos ao consumidor, nenhuma poupança – e é exatamente desta forma que as pessoas se tornam escravas financeiras por décadas.

6 – Investir seu tempo e energia apenas em ganhar dinheiro

Existem vários “ativos” que pagam os maiores dividendos de todos os tempos, para famílias de todas as rendas, vivendo em diferentes continentes e criadas em diferentes culturas!

Estes são sua saúde (não estar financeiramente falido na aposentadoria e um fardo para seus filhos), educação (o investimento mais legal de todos), relacionamentos familiares, criar filhos, etc.

Investir toda a sua energia para ganhar dinheiro pode ser uma grande decepção. O dinheiro não traz felicidade a menos que você também tenha, em algum momento, investido nos “ativos” acima.

 

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!