continua depois da publicidade

As fusões e aquisições na América Latina ficaram acima de US$ 105 bilhões nos primeiros nove meses de 2021, o maior volume em uma década, de acordo com dados do Refinitiv, à medida que grandes quantidades de capital novo alimentaram um frenesi de negócios na região.

“Os rendimentos de IPOs e ofertas de ações financiaram aquisições em uma variedade de setores, como saúde, petróleo e gás, energia, fintechs e varejo”, disse Ricardo Bellissi, codiretor de banco de investimento do Goldman Sachs no Brasil.

Mesmo com os mercados de ações latino-americanos atingidos por volatilidade, inflação e taxas de juros mais altas, especialmente no Brasil, onde também haverá eleições presidenciais no próximo ano, a maioria dos banqueiros não espera uma queda nas fusões e aquisições no curto prazo.

Depois de levantar US$ 25 bilhões em ofertas de ações este ano e quase US$ 30 bilhões no ano passado, as empresas latino-americanas têm fortes posições de caixa para financiar fusões e aquisições.

“Mesmo com a inflação mais alta, as taxas de juros subindo e uma eleição no Brasil no próximo ano, o fluxo de negócios deve permanecer forte”, disse Bruno Amaral, chefe de Fusões e Aquisições do Banco BTG Pactual, líder da América Latina no ranking de Fusões e Aquisições da Refinitiv até setembro.

Amaral também está otimista com relação a possíveis negócios no Chile, um dos países latino-americanos que melhor lidou com a pandemia, e Peru e Colômbia, que, como o Chile, estão se beneficiando dos altos preços das commodities.

O maior negócio da região até agora é a proposta de aquisição da NotreDame Intermedica por US $ 9,5 bilhões pelo rival Hapvida SA, ainda sob análise do CADE.

Outros negócios importantes incluíram a aquisição dos ativos do Grupo Televisa pela Univision e a cisão da divisão de atacado da varejista brasileira GPA SA Asai, com valores próximos a US$ 5 bilhões cada.

Entre os setores mais ativos estão o de saúde, ainda muito fragmentado na região, e as fintechs, que atraem muito o interesse dos investidores ao se apoderarem de um mercado há muito dominado por bancos tradicionais.

Negociações de privatização e infraestrutura estão contribuindo para valores maiores de negociação. O leilão das operações estatais de água e esgoto do Rio de Janeiro arrecadou R$ 22,6 bilhões e a venda das unidades de fibra e móveis da operadora Oi, quase R$ 30 bilhões. Em outra transação futura, a America Movil está programada para cindir seu negócio de torres na América Latina até o final do ano.

As vendas de refinarias da estatal Petrobras e unidades de fibra da Copel, Telefonica e TIM no Brasil estão previstas para os próximos meses.

A atividade transfronteiriça também aumentou. “As empresas brasileiras estão de volta às aquisições no exterior”, disse Luiz Muniz, sócio e chefe para a América Latina da Rothschild & Co, citando a aquisição da unidade da JBS Pilgrim’s Pride Corp por 819 milhões de euros das unidades de alimentos ao consumidor britânicas e irlandesas do Kerry Group Plc, entre outros.

Os SPACs, que lidam com altos preços-alvo na América do Norte, também estão se concentrando na região, mas ainda não anunciaram um grande negócio.

A consultoria financeira é muito ativa na América Latina, com 77% dos negócios acima de US$ 100 milhões usando consultores financeiros.

VOLATILIDADE DE ELEIÇÃO

Mesmo com o índice Bovespa de referência do Brasil caindo 5% este ano e mais de 50 empresas decidiram adiar ou cancelar seus IPOs, a emissão de ações ficou estável nos primeiros nove meses de 2021, com US$ 21,12 bilhões em ofertas de ações.

Na América Latina como um todo, o total cresceu 12%, impulsionado por empresas mexicanas como a America Movil, que vendeu um título conversível de US$ 2,7 bilhões, e a Corporacion Inmobiliaria Vesta, e uma emissão do Uruguai.

Os banqueiros dizem que as empresas brasileiras estão apenas esperando um período melhor nos mercados de ações para lançar suas ofertas.

“Algumas empresas podem antecipar o timing de seus negócios para evitar exposição desnecessária à volatilidade, que pode acontecer em ano eleitoral no Brasil”, disse Rodolfo Soares, codiretor de banco de investimento do Goldman Sachs no país. (Com informações de Reuters).

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!