Na manhã de 14 de junho, Kim Kardashian, influencer com mais de 210 milhões de seguidores no Instagram, postou um story com o anúncio da criptomoeda Ethereum Max. Embora o nome remeta à segunda maior criptografia, não se trata de um novo projeto de Vitalik Buterin.

Ela deixou clara que não era um “conselho financeiro”, mas a postagem, que incluía um vídeo curto e logo depois um texto sobre as “vantagens” da criptomeda. Um tema, convenhamos, “estranho” para quem segue a modelo milionária, que geralmente fala de moda e trivialidades em seu perfil.

Sim, muitas celebridades e influenciadores promoveram novas moedas digitais e blockchain ao longo dos anos, incluindo nomes como DJ Khaled e Paris Hilton. Mas além postagem de Kim -que cobra de 300 a 500 mil dólares por um anúncio nas suas redes sociais –  o jogador de beisebol Paul Pierce e a lenda do boxe Floyd Mayweather também divulgaram o Ethereum Max (EMAX).

No caso do boxeador, se acordo com uma nota à imprensa, o EMAX era “a criptomoeda aceita com exclusividade para compra de ingressos online” da recente luta de Mayweather com o youtuber Logan Paul no pay-per-view. O mesmo sistema é usado para acesso a outras lutas de boxe com atletas menos conhecidas também estão sendo oferecidas, conforme mostram anúncios nas redes sociais.

A estratégia deu algum resultado, com o ethereum max tendo oscilações para cima no preço no dia da luta (6 de junho) e uma pequena elevação no dia da publicação da Kadarshian mais famosa.

Durante anos, os analistas em criptografia vêm alertando que cada investidor deve “fazer sua própria pesquisa” sobre projetos porque o setor está repleto de golpes, fraudes e projetos ruins. No entanto,já ficou evidenciado que celebridades podem influenciar o mercado de criptomoedas, vide os famosos tuítes de Elon Musk.

O caso do ethereum max, que embora não tenha causado grandes prejuízos, chama a atenção para o que parece ser uma tendência. Para os compradores de cripto que procuram fazer um investimento de longo prazo, é melhor se concentrar no que os especialistas chamam de fundamentos. Isso inclui informações sobre quem está por trás do projeto, que tipo de inovação ele traz, seu pleno a longo prazo, valores de receitas e gastos, etc.

O ecossistema de moedas digitais é global e geralmente vêm dos Estados Unidos as notícias que causam maior impacto. Não raro, algumas situações se repetem em outros países.

No Brasil, ex-jogador de futebol Ronaldinho Gaúcho emprestou seu nome e imagem à 18K, uma empresa de marketing multinível que prometia altos rendimentos, mas acabou revelando ser uma pirâmide financeira que lesou centenas de pessoas.

Em 2020, o jogador estrelou campanhas publicitárias da plataforma de investimentos  LBLV. Contudo, a corretora responsável por ela estava proibida de atuar no Brasil pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Após o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado do Ministério da Paraíba (Gaeco) deflagrou uma operação contra a companhia, ela fechou. Centenas de antigos clientes acusam a LBLV de pirâmide financeira e os prejuízos passam de R$ 60 milhões.

Na época, o advogado Paulo Vianna, do escritório Fernando Martins, que representa 30 vítimas foi categórico: “Caíram no golpe da LBLV por causa do Ronaldinho Gaúcho”.

No caso do EMAX seu preço ainda é de fração de dólares, cotado a US $0.0000000528 quando esta matéria é escrita, mas o volume de negociação, segundo o CoinMarketCap, tem se mantido entre um milhão e meio e dois milhões por dia.

Utilizando os “sinais” que esse projeto obscuro anunciado por celebridades oferece de não ser algo que se sustenta, vamos analisar quais problemas ele apresenta e que devem ser evitados quando se pensa em comprar ativos digitais novos no mercado ou pouco conhecida.

Entenda o projeto

O projeto Ethereum Max foi lançado em 17 de maio. De acordo com seu site oficial, trata-se de um token ERC-20 no blockchain ethereum. Isso significa que o EMAX não é um fork, upgrade ou concorrente do ETH. Um ERC-20 requer muito pouca habilidade técnica para criar, e mesmo pessoas com pouco conhecimento técnico podem tiram proveito das facilidades oferecidas pelo blockchain ethereum. Para se ter uma ideia, existem milhares de aplicativos que usam a rede com projetos DeFi (finanças descentralizadas) e são quase 3 mil   “Ethereum dApp“, aplicações descentralizadas e de código aberto que têm diferente propósitos.

Em resumo, é razoavelmente fácil criar um novo token, disponibilizá-lo no mercado e, caso encontre compradores o suficiente, ficar rico com isso. Aparentemente, os criadores do EMAX apostaram que cachês de celebridades para atrair compradores é um dinheiro melhor investido que se tivessem colocado no desenvolvimento do projeto!

O nome do projeto

Pode parecer uma bobagem, mas no caso do Ethereum Max, ele não é afiliado a nenhum dos desenvolvedores por trás do ethereum, que concentra 16.48% do mercado e cujo valor de mercado é estimado em mais de 200 bilhões de dólares.

Este é um problema bastante comum na criptografia porque os nomes geralmente não são protegidos por direitos autorais. Existem dezenas de moedas com “bitcoin” no nome, por exemplo, mas a maioria tem pouco ou nada a ver com BTC. As moedas digitais baseadas em memes da raça japonesa de cachorro Shiba Inu ganhou fama por causa do Dogecoin e gerou uma série de projetos que usam “dog” e “inu” em seu nome. Um investidor desavisado por comprar “gato por lebre” se confundir os nomes.

Além do nome, existem os ícones, símbolos, adotados por cada moeda. Eles também podem induzir ao erro. No caso do EMAX ele utiliza o mesmo losango do ETH, mas na cor vermelha e com algumas linhas em destaque.

Tokenomics

Se você não está familiarizado com o termo, leia esta matéria que preparamos sobre o tema.

Embora alguns ERC-20s não possuem função comercial, a maioria faz parte de projetos cujos criadores esperam que seus tokens aumentem de valor com base em sua utilidade. Esse é um bom indicativo do que está por trás do projeto econômico do token

No caso do EMAX é difícil descobrir exatamente como ele funciona. A seção “tokenomics” da página inicial do projeto contém apenas descrições vagas de “vantagens da comunidade” e um futuro mercado de token não fungível (NFT). Também promete “recompensas de rendimento” que distribuem 3% de todas as transações divididas entre os detentores. O site ainda promete acesso a experiências VIP, incluindo eventos esportivos e shows. Contudo, não há detalhes sobre como tudo isso funciona.

White paper e desenvolvedores

O white paper é um documento que serve como guia para explicar um certo conceito ou a solução para  problemas específicos de um projeto. No mundo das criptomoedas, o white paper é fundamental, pois consegue definir o projeto e, caso o projeto planeje uma Oferta inicial de Moedas (ICO), consegue atrair potenciais investidores.

Geralmente são elaborados por pessoas ou equipes com conhecimento no assunto e seu conteúdo costuma ser muito técnico e bastante específico. Comumente, além de ideias claras, apresenta elementos que contribuem com a explicação oferecida (gráficos, diagramas, etc).  Ele lança as bases, explicando também qual é o problema a ser resolvido, como será resolvido, o financiamento e a quantidade de tokens que será disponibilizada, além de um roteiro de implantação do projeto em questão.

Os desenvolvedores são os “pais” de um projeto, responsáveis não apenas pela criação, mas pela manutenção e eventuais ajustes do sistema em questão. Posteriormente, alguns desenvolvedores podem se juntar e ajudar na aprimoração, criar aplicativos ou oferecer outras soluções técnicas.

A maioria dos projetos sólidos disponibiliza um documento chamado white paper, com todas as informações . No caso do EMAX, o site não dá acesso a seu white paper e não está claro quem são os desenvolvedores.

No EMAX não se encontram informações na página inicial sobre a equipe por trás do projeto. De fato, isso varia muito, mas projetos com patrocinadores e desenvolvedores desconhecidos são geralmente considerados de maior risco. Isso ocorre em grande parte porque reduz o risco de processo ou outro revés se a equipe desaparecer com os fundos do investidor ou abandonar o projeto, no chamado rug pull (puxada de tapete)

Comunidade

A publicação no Instagram de Kim Kadarshian e a camiseta que Floyd Mayweather usou antes da luta, ambas ostentando o símbolo do ethereum max não são suficientes para criar uma comunidade de usuários. Podem, no máximo, atrair curiosos, que investirão alguma quantia, mas venderão tudo se não obtiverem o retorno esperado depois de algum tempo ou simplesmente desistirão do projeto, arcando com um prejuízo de alguns dólares.

Mayweathertem um histórico complicado. Ele foi multado em US $ 615.000 pela SEC em 2018 por tuítar sobre uma criptomoeda chamada Centra, que acabou sendo uma fraude. É o famoso pump and dump”. Alguém que possui influência promove um ativo, seus seguidores correm para comprar, aprovando a indicação, o preço sobe e, em algum momento, percebe-se que não há futuro. A venda generalizada começa, o preço despenca e alguns poucos obtém um grande lucro. A prática gerou condenação ao falecido John McAfee, quando o FBI provou que ele utilizou suas redes sociais para promover criptomoedas sem valor como “grandes investimentos” e ganhou pelo menos 2 milhões de dólares com isso em 10 meses.

Quando se fala em “comunidade” nos projetos de criptomoedas iniciantes, o termo refere-se a uma base de usuários. Pessoas que compraram porque acreditam no projeto, falam sobre ela nas suas redes sociais e fóruns como Reddit, possuem planos de segurar (hodl) até que elas atinjam um determinado valor e mostram que há um apoio real.

Opinião de especialistas

O ethereum max pode não ser uma fraude, apenas um projeto de criptomoeda com marketing agressivo. Isso só o tempo dirá. Contudo, diferentes traders e sites especializados fizeram análises sobre ela, sinalizando que não é um investimento seguro e, muito provavelmente, um esquema de pirâmide.

Até o site a rede CNBC, focado em negócios, deu destaque para o tema, questionando a opinião de influenciadores pagos para defender um ativo. “Eu ficaria preocupado que pelo menos parte do seu público não seja financeiramente sofisticado e tenha acesso limitado a fundos, razão pela qual o tema há anos é uma área que necessita ação regulatória”, diz o site. Ele também cita uma nota da SEC (equivalente à CVM dos EUA), que diz “nunca é uma boa ideia tomar uma decisão de investimento só porque alguém famoso disse que um produto ou serviço é um bom investimento”.

O trader Lark Davis, analistas conhecido no mercado, afirmou em publicações no Twitter que a EMAX é um esquema de pirâmide financeira no mercado de criptomoedas.

Por isso, a leitura contínua de sites como o CriptoPrime, que ofereçam notícias sobre moedas e novos projetos, além de análises mais técnicas, ajuda o investidos a ficar familiarizado com o que está sendo disponibilizado no mercado e evitar prejuízos por compras de impulso ou opiniões de influenciadores, que nem sempre são fidedignas.