continua depois da publicidade

Nesta quarta-feira (4), as ações da Robinhood dispararam mais de 80%. Por volta de 14:55, as ações subiam 46,39%, a 68,51 dólares, após, mais cedo, alcançarem 85 dólares. As informações são da Reuters.

O movimento não se sustentou e acabou voltando a patamares de sua estreia na Nasdaq na semana passada.

Como o preço fixado no IPO era de 38 dólares, os papéis foram uma surpresa para muitos investidores. O movimento de hoje segue uma sequência de valorização, que terminou com a corretora online com cerca de 50 bilhões de dólares em valor de mercado.

Todo o seu lançamento foi cercado de polêmica. Dois dias depois da estreia, o preço ao fim do 1º pregão era de  US$ 34,82, acumulando queda de 8,37%. O saldo final foi uma alta de 50,41%. Contudo, analistas apontam que isso é resultado de um novo movimento especulativo de “ações meme”, como ocorreu recentemente com a GameStop e a AMC.

Agora, o interesse nas ações entre os investidores de varejo ressurgiu com força, recuperando muito bem as quedas pós-IPO. Na terça, o volume de negócios no varejo aumentou dez vezes, projetando os papéis para ganhos de 24%, mostrou com a Vanda Research.

A Robinhood foi a ação mais mencionada nas últimas 24 horas no WallStreetBets, fórum na plataforma Reddit, indica o rastreador SwaggyStocks.

Randy Frederick, vice-presidente de negociação e derivativos da Charles Schwab em Austin, Texas, comentou sobre como esse movimento digital influencia cada vez mais o trade.

“Sabemos, com base nas negociações de ações de memes que aconteceram nos últimos meses, que quando há muita atividade nas redes sociais, às vezes isso eleva ou derruba as ações”, afirmou Frederick.

Robinhood apostou em tecnologia e geração Z

Desde seu surgimento, a corretora norte-americana Robinhood prometeu uma “revolução” no mercado de capitais dos Estados Unidos, possibilitando o aumentando da presença dos pequenos investidores em meio aos grandes afortunados e empresas.

A Robinhood é acessada por aplicativo, sendo idealizada em 2013 por Vladimir Tenev e Baiju Bhatt, dois ex-estudantes da Universidade de Stanford que vendiam softwares para empresas do setor financeiro.

Eles perceberam que havia um nicho inexplorado de pessoas físicas que não estavam dispostas a desembolsar qualquer quantia com comissões de compra e venda de ações.

Criaram assim a Robinhood, usando o nome da lenda do anti-herói inglês que tirava dos ricos para dar aos pobres. Nasceu como uma corretora baseada em tecnologia e de taxa zero.

Na plataforma, acessada como qualquer aplicativo de smartphone, é possível negociar, sem grandes dificuldades ou alertas, ações, opções, fundos, ouro, criptomoedas. Também há a opção do investidor ganhar um percentual por deixar o dinheiro na conta.

Apesar da grande desconfiança inicial, a fintech se consolidou e chegou até aqui fazendo muito barulho, popularizando o trade e provocando algumas mudanças de postura no setor de corretagem.

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!