A montadora de carros de luxo Mercedes-Benz fará parceria com a fabricante de sensores autônomos Luminar Technologies Inc para permitir a condução totalmente automatizada em rodovias para seus veículos de última geração, disse o fundador da Luminar.

Montadoras como Tesla, GM e Volvo estão de olho na introdução de veículos autônomos, embora os desafios regulatórios e tecnológicos permaneçam.

Empresas de tecnologia, como Waymo e Cruise, da Alphabet, também estão desenvolvendo táxis ou caminhões autônomos para uso comercial, como serviços de transporte e entrega.

A autonomia do veículo “está realmente se popularizando com a Mercedes”, disse o CEO da Luminar, Austin Russell. Ele disse que os dois desenvolveriam capacidades de autonomia “verdadeiras”, incluindo capacidades de segurança aprimoradas, como frenagem automática.

A General Motors Co está trabalhando com sua unidade autônoma Cruise, de propriedade majoritária, para introduzir um veículo autônomo pessoal em meados da década, disse a presidente-executiva Mary Barra neste mês.

“Se você quer ser capaz de obter capacidades verdadeiramente autônomas em um veículo de consumo, e precisa industrializar hardware, software, todos esses sistemas que entram em jogo. Isso, aliás, é completamente diferente do trabalho que o robô – as empresas de táxi estão trabalhando”, disse Russell.

Ele disse que é um desafio produzir em massa lidars e garantir que sejam robustos o suficiente para atender aos requisitos rigorosos das montadoras.

É um tipo de negócio completamente diferente de ir de um negócio de ciência e tecnologia para uma corporação automotiva.”

Os Lidars, que usam pulsos de luz de laser para medir a distância entre o sensor e o objeto alvo, são amplamente vistos como essenciais para alcançar uma direção totalmente autônoma. Mas a Tesla evitou o sensor, dizendo que é caro e desnecessário.

A Volvo Cars e a Luminar disseram no início deste mês que colocarão um sistema de direção sem as mãos em um próximo veículo utilitário esportivo elétrico. (Com informações de Reuters).