continua depois da publicidade

O fundador da Cardano (ADA), Charles Hoskinson, acredita que o ethereum (ETH) está prestes a ultrapassar o bitcoin (BTC) e isso não deve demorar muito. Em conversa recente, durante sua participação no podcast de Lex Fridman, ele apontou alguns problemas que o bitcoin não consegue resolver e que podem fazer a principal criptomoeda perder sua liderança no mercado.

Foram mais de quatro horas de conversa no canal do Youtube que possui mais de um milhão de inscritos. Hoskinson, que é matemático e além de criar o Cardano foi um dos idealizadores do ethereum. Em sua longa análise do mercado de criptomoedas durante o podcast ele fez previsões e destacou que, ao contrário do que muitos pensam, o ADA não quer apenas substituir o Ethereum como moeda e rede referência em contratos inteligentes e Def, seu principal alvo é o BTC.

Contudo, segundo Charles, “Ele [o Bitcoin] é seu pior inimigo. Tem os efeitos de rede, tem a marca, tem a aprovação regulatória. Mas não há como mudar o sistema, mesmo corrigindo desvantagens óbvias nesse sistema.”

O responsável pelo Cardano entende que o bitcoin poderia ser melhor, mas nada no desenvolvimento da moeda é veloz. “O problema com o bitcoin é que ele é muito lento, como se fosse a programação em mainframe no passado. Só funciona até hoje porque já recebeu muito investimento, mas  assim como a linguagem Cobol, um dia vai morrer”, sentenciou.

Para o matemático, o bitcoin poderia manter o que previa seu projeto original, atribuído a Satoshi Nakamoto,  sem comprometer a inovação. Nesse sentido, pontua, a rede Ethereum tem conseguido criar mais aplicações, inovando com maior frequência seus processos. Além disso, suas taxas ainda são altas, o que prejudica os pequenos investidores. No longo prazo, velocidade maior e taxas menores darão uma vantagem ao ethereum que pode deixar o bitcoin para trás de maneira definitiva.

No momento, a disputa entre as duas principais criptomoedas ainda parece do tipo “Davi contra Golias”. No momento em que esta matéria é escrita, o BTC está custando na faixa de U$ 33.600 e tem uma capitalização de mercado de aproximadamente 630 bilhões de dólares, enquanto cada ETH vale US$ 1.980 e a capitalização está em US$ 230 bilhões.

Rede mais popular e flexível

De fato, as altas taxas de rede pela emissão de novos bitcoins sempre foram um assunto debatido no espaço da criptografia. Isso deveria ser resolvido com a implementação da tecnologia Lightning Network (LN). Mesmo com as mudanças no blockchain, as taxas continuam alta. Claro, ethereum também possui esse tipo de problema especialmente nos períodos de alto tráfego na sua rede, mas ainda são inferiores as do bitcoin. A promessa é que isso deve melhorar com a implementação do Ethereum 2.0 nos próximos meses, quando se espera que melhora também problemas na escalabilidade e segurança.

Conforme lembrou Hoskinson, o blockchain ethereum vem ganhando popularidade ao longo dos anos, atraindo muitos novos projetos para sua rede, tornado-a mais “popular”. Atualmente, existem mais de 3.000 aplicativos descentralizados (conhecidos como “dApps”) em execução no blockchain ethereum.

O CEO da Cardano assegura que um dos principais motivos pelo qual ethereum é melhor do que o bitcoin está em sua cultura de desenvolvimento flexível. Afinal, quaisquer falhas encontradas na rede ethereum podem ser corrigidas com certa facilidade.

Hoskinson reconhece que a “batalha das criptomoedas” ainda está em seus estágios iniciais, embora já existam vários blockchains lutando por uma participação maior no mercado de blockchain. Ethereum e bitcoin lideram a corrida na batalha, mas ele acredita que seu Cardano ainda é um sério competidor e pode surpreender.

Antes de terminar, ele mandou um “recado” a Elon Musk, que fez críticas pesadas ao bitcoin, afirmando que a moeda digital prejudica o meio ambiente pelo seu alto consumo de energia, e por isso a Tesla parou de aceitar pagamentos com BTC.

Para o desenvolvedor, se a Tesla realmente quiser uma moeda com baixo consumo de energia, deveria considerar a adoção do ADA.

Share.
continua depois da publicidade