continua depois da publicidade

De forma resumida, Cardano é uma plataforma blockchain baseada em “prova de aposta” descentralizada de terceira geração. Embora compartilhe características e aplicativos com outras plataformas de blockchain como Ethereum, o Cardano se distingue pelo seu compromisso com a pesquisa científica, revisada por pares, contando com blocos de construção para atualizações em sua plataforma.

Três organizações são responsáveis pelo desenvolvimento do Cardano: IOHK, Fundação Cardano e EMURGO. As duas primeiras são fundações sem fins lucrativos e a terceira é uma entidade com fins lucrativos. A IOHK (Input Output Hong Kong), responsável pela construção do blockchain Cardano, trabalha com uma equipe de acadêmicos espalhados por todo o mundo para produzir pesquisas e revisar atualizações de plataforma antes da implementação para garantir que sejam escalonáveis.

Entendendo o Cardano

Charles Hoskinson, cofundador da Ethereum, começou a desenvolver o Cardano em 2015 e lançou a plataforma em 2017. No início, essa criptomoeda se estabeleceu como uma alternativa ao Ethereum. Ambas são usadas para aplicativos semelhantes, como contratos inteligentes (smart contracts), tendo como objetivo construir um sistema conectado e descentralizado.

O Cardano se considera uma versão atualizada do Ethereum e se autoproclamou uma plataforma de terceira geração, melhor que as credenciais de segunda geração do Ethereum. Sua plataforma blockchain também tem o objetivo de fornecer serviços bancários para quem não tem banco e está acessível no mundo todo.

Ao falar de Terceira Geração de Criptomoedas, considera-se que a primeira foi o Bitcoin, responsável por inaugurar a proposta das Finanças Descentralizadas. A segunda geração é a Ethereum, que trouxe algumas diferenças, funcionando também como uma plataforma que suporta aplicativos descentralizados (dApss) e outras funcionalidades como soluções para o mercado financeiro e monetário. Em sua plataforma o token Ether serve de combustível para alimentar todo o sistema. A terceira geração, mais recente, seria o Cardano, uma rede que integra serviços de pagamentos, leitura e execução de contratos inteligentes, especialmente voltados à instituições financeiras e bancos.

As principais aplicações da Cardano são em gerenciamento de identidade e rastreabilidade. O primeiro aplicativo pode ser usado para agilizar e simplificar processos que exigem a coleta de dados de várias fontes. Também pode ser usado para rastrear e auditar os processos de fabricação de um produto, desde o início do processo até os produtos acabados. Isso poderia, por exemplo, ajudar a retirar produtos falsificados do mercado.

“ADA” é a sigla da moeda digital de Cardano. Seu nome é uma homenagem a Ada Lovelace, uma condessa do século 19 e matemática inglesa, conhecida por ser a primeira programadora de computador.

Curiosamente, a criptomoeda ADA inicialmente era chamada de IOHK, por ser associado a essa fundação de Hong Kong. Também é conhecida como “Ethereum Japonês”, pois 90% dos seus investidores estão no Japão e outros países asiáticos. O motivo para isso é que naqueles países já existe uma regulação consolidada para criptomoedas. Foram esses investidores financiaram toda a rede da Cardano entre 2015 a 2017.

Exemplos de Cardano

As organizações por trás da Cardano lançaram três produtos: Atala PRISM, Atala SCAN e Atala Trace. O primeiro produto é uma ferramenta de gerenciamento de identidade, que pode ser usada para fornecer acesso a serviços. Por exemplo, pode verificar as credenciais necessárias para alguém abrir uma conta bancária ou elegibilidade para receber ajuda governamental.

Os outros dois produtos podem ser usados ​​para rastrear a trajetória de um produto através de uma cadeia de abastecimento. O Cardano também está desenvolvendo um sistema de contratos inteligentes que servirá como uma plataforma estável e segura para o desenvolvimento de aplicativos descentralizados de nível empresarial.

Em um futuro próximo, a equipe de Cardano planeja usar um sistema de governança democrática em cadeia chamado Projeto Catalyst, que pode gerenciar o desenvolvimento e a execução de projetos. Eles também renovarão seu sistema de gestão de tesouraria para financiar custos futuros, usando Catalyst, que deve trazer governança descentralizada para o ecossistema.

Requisitos do Cardano

O coração de qualquer plataforma de blockchain é o algoritmo que usa para criar blocos e validar transações. Cardano usa Ouroboros, algoritmo que usa protocolo de prova de aposta (PoS) para minerar blocos.

Esse protocolo é projetado para reduzir ao mínimo o gasto de energia durante o processo de produção do bloco. Ele faz isso eliminando a necessidade de poder de hash, ou recursos de computação massivos, que são centrais para o funcionamento do algoritmo de prova de trabalho (PoW) usado pelo Bitcoin.

No sistema PoS de Cardano, o piqueteamento determina a capacidade de um node (nó) de criar blocos. A aposta de um node é igual à quantidade de ADA, mantida por ele a longo prazo.

Como funciona o Ouroboros

Em termos amplos, Ouroboros funciona da seguinte maneira: ele divide o tempo físico em períodos compostas de slots (intervalos), que são fixos. Os slots são semelhantes aos turnos de trabalho em uma fábrica. Atualmente, uma época, ou ciclo, dura cinco dias enquanto o slot dura um segundo, mas esses números são configuráveis ​​e podem ser alterados após uma proposta de atualização.

A produção desses slots e épocas também responde ao sistema PoS, garantindo assim que eles possam ser produzidos a qualquer momento, e sob um sistema de produção descentralizado.

As épocas funcionam de forma circular: quando uma termina, a outra começa. Cada slot tem um líder escolhido por um sistema de “loteria”. Nesse sistema, quanto maior a aposta, maiores são as chances de ganhar na loteria. Os líderes de slot são responsáveis ​​pelas seguintes tarefas:

  • Validar transações
  • Criar blocos de transação
  • Adicionar blocos recém-criados ao blockchain

O Ouroboros requer um pequeno número de titulares de ADA para estar online e manter uma boa conectividade de rede. Para reduzir ainda mais o consumo de energia, o algoritmo mantém o conceito de pools de apostas. Os titulares de ADA podem se organizar em grupos de apostas e eleger alguns para representar o grupo durante a execução do protocolo, facilitando a participação e garantindo a criação de blocos, mesmo se alguns deles estiverem offline.

Considerações sobre a mineração

Um stake pool ou ‘pool de participação’, é um node de servidor confiável, comprometido em executar o protocolo 24 horas por dia, 7 dias por semana, em nome dos titulares de ADA que contribuem. Os stake pools detêm a participação combinada de várias partes interessadas em uma única entidade e são responsáveis ​​por processar transações e produzir novos blocos.

Em um sistema de Prova de Trabalho (PoW), os incentivos econômicos para que os mineiradores participem da rede e criem blocos são recompensas da criptomoeda e taxas de transação. O Ouroboros coleta recompensas de uma época e as distribui entre grupos de apostas e partes interessadas. Cada um é recompensado com base na proporção de sua aposta contribuída durante a época, o que significa que uma aposta mais alta receberá mais recompensas.

Compartilhar.
continua depois da publicidade

Deixe seu comentário!